Brand Finance logo

TikTok é eleita a marca que mais cresce no mundo pelo Relatório Brand Finance Global 500 2022

26 January 2022
  • Nova participante TikTok nomeada a marca de crescimento mais rápido do mundo, até 215%, liderando a revolução global no consumo de mídia
  • Apple mantém a marca mais valiosa do mundo título com avaliação recorde em mais de US$355 bilhões, seguido por Amazon e Google
  • A tecnologia continua sendo a indústria mais valiosa, enquanto o varejo em segundo lugar ultrapassa a marca de US$1 trilhão após um crescimento de 46% no valor da marca durante a pandemia de COVID-19
  • Desenvolvimento de vacinas COVID-19 vê indústria farmacêutica nomeada a indústria de mais rápido crescimento, enquanto setor de turismo permanece abaixo da avaliação pré-pandemia
  • EUA e China continuam a dominar reivindicando 2/3 do valor da marca no ranking, enquanto a Índia vê o crescimento mais rápido ao longo da pandemia entre os principais países, um aumento de 42%
  • WeChat é eleita a marca mais forte do mundo pelo segundo ano consecutivo com pontuação máxima de 93,3 em 100 e classificação de elite AAA+
  • Itaú é a única marca brasileira no ranking das maiores 500 marcas do mundo, subindo 53 posições de 2021, e posicionando na 335ª colocação.
  • Satya Nadella, da Microsoft, fica em primeiro lugar no Brand Finance Brand Guardianship Index 2022 dos 250 melhores CEOs do mundo

Veja o relatório completo do Brand Finance Global 500 2022 aqui

Triplicando o valor da marca no ano passado, TikTok foi nomeada a marca que mais cresce no mundo por um novo relatório publicado hoje. Com um crescimento surpreendente de 215%, o valor da marca do app de entretenimento aumentou de US$18,7 bilhões em 2021 para US$59,0 bilhões este ano. Conquistando o 18º lugar entre as 500 marcas mais valiosas do mundo, é o novo participante mais importante do Ranking Brand Finance Global 500 2022.

Todo ano, consultoria líder em avaliação de marcas Brand Finance coloca 5.000 das maiores marcas à prova, e publica cerca de 100 relatórios, classificando marcas em todos os setores e países. As 500 marcas mais valiosas e fortes do mundo estão incluídas no ranking anual Brand Finance Global 500 – agora em seu 16º ano.

Com as restrições do COVID-19 ainda em vigor em todo o mundo ao longo de 2021, os serviços de entretenimento digital, mídia social e streaming tiveram um crescimento contínuo, e a ascensão do TikTok é uma prova de como o consumo de mídia está mudando. Com sua oferta de conteúdo de fácil digestão e entretenimento, a popularidade do aplicativo se espalhou pelo mundo, no entanto, também atuou como uma saída criativa e forneceu uma maneira de as pessoas se conectarem durante o bloqueio.

Ao mesmo tempo, parcerias estratégicas, como o patrocínio do torneio UEFA Euro 2020, expuseram o TikTok a dados demográficos fora de sua base original da Geração Z. Ele ultrapassou a marca de um bilhão de usuários em 2021 e se tornou o aplicativo mais baixado na Google Play Store do Android e na App Store da Apple.

David Haigh, presidente e CEO da Brand Finance, comentou:

“O consumo de mídia aumentou durante a pandemia do COVID-19, mas – além disso – a maneira como a consumimos mudou irrevogavelmente. Para competir nesse mercado em evolução, organizações de mídia investiram pesadamente em suas marcas – do conteúdo a aquisição através de experiência de usuário. O crescimento meteórico do TikTok é a prova – a marca passou de relativa obscuridade para renome internacional em apenas alguns anos e não mostra sinais de desaceleração.”

No geral, as marcas de mídia representam as 3 principais marcas que mais crescem no ranking – com outro aplicativo de mídia social Snapchat (valor da marca acima de 184%, para US$ 6,6 bilhões) e a marca de internet sul-coreana Kakao (aumento de 161%, para US$ 4,7 bilhões) seguindo bem atrás do TikTok.

Outros competidores notáveis ​​do setor de mídia incluem aqueles que oferecem serviços de streaming, com Disney (valor da marca acima de 11% para US$ 57,0 bilhões), Netflix (valor da marca acima de 18% US$29,4 bilhões), YouTube (valor da marca acima de 38% para US$ 23,9 bilhões) e Spotify (valor da marca com alta de 13%, para US$ 6,3 bilhões), todos com aumentos.

Em contraste, as marcas de mídia tradicional têm visto um declínio contínuo com pessoas favorecendo plataformas de mídia social e streaming sob demanda em seu lugar. A Warner Bros está entre as marcas com queda mais rápida no ranking deste ano (valor da marca caiu 33%, para US$ 6,8 bilhões), e essa tendência é ainda mais aparente quando comparamos este ano com as avaliações pré-pandemia. Observando a mudança no valor da marca nos últimos dois anos do COVID-19, três marcas de mídia estão entre as cinco marcas que mais caem – a Warner Bros teve a maior perda de valor da marca em 40%, com NBC (valor da marca US$ 9,4 bilhões) e CBS (valor da marca US$ 7,4 bilhões) com perdas de 38% e 36%, respectivamente.

Itaú é a única marca brasileira no ranking

Única das brasileiras entre maiores 500 marcas do mundo segundo a Brand Finance, Itaú  sobe 53 posições de 2021, e posiciona na 335ª colocação do Brand Finance Global 500.

Eduardo Chaves, sócio-diretor da Brand Finance do Brasil, comentou:

“A marca Itaú é realmente uma marca muito forte e valiosa. Com seu posicionamento focado em pessoas e nas transformações sociais, a marca chama atenção com suas causas em cultura, esportes e educação. Com ações de marketing e comunicações poderosas, como as bicicletas Itaú ou patrocínio do Rock in Rio, a marca mantém uma presença positiva na mente dos consumidores, que aliados a alta geração de receita em sua operação nacional e internacional, faz dela a maior marca do Brasil”.       

Apple mantém o primeiro lugar com avaliação recorde

Apple manteve o título de marca mais valiosa do mundo após um aumento de 35% para US$355,1 bilhões – o maior valor de marca já registrado no Ranking da Brand Finance Global 500.

A Apple teve um 2021 estelar, com destaque para sua conquista no início de 2022 – sendo a primeira empresa a atingir uma avaliação de mercado de US$3 trilhões. A gigante da tecnologia que tem sucesso historicamente continua a afiar seu posicionamento de marca, mas seu crescimento mais recente pode ser atribuído ao reconhecimento de que sua marca pode ser aplicada efetivamente para muita variedade de serviços.

O iPhone ainda responde por cerca de metade das vendas da marca. No entanto, este ano a Apple deu mais atenção ao seu outro conjunto de produtos com uma nova geração de iPads, uma revisão do iMac e a introdução de AirTags. Sua gama de serviços, do Apple Pay ao Apple TV, também se fortaleceu e se tornou cada vez mais importante para o sucesso da marca.

Além disso, a Apple sabe a importância de estar em sintonia com seus clientes por estar mantendo marca capital próprio. A privacidade e o meio ambiente são proeminentes tópicos, e a Apple reforçou suas credenciais em ambas as frentes. Isto é evidenciado por uma maior transparência da política de privacidade da loja de aplicativos, reforçando a confiança que os clientes têm na marca, e o anúncio de que mais parceiros de fabricação da Apple estarão migrando para energia 100% renovável, como a empresa pretende alcançar a neutralidade de carbono até 2030.

David Haigh, presidente e CEO da Brand Finance, comentou:

“A Apple comanda um nível incrível de fidelidade à marca, em grande parte graças à sua reputação de qualidade e inovação. Décadas de trabalho duro para aperfeiçoar a marca viu a Apple se tornar um fenômeno cultural, que permite não apenas competir, mas prosperar em um grande número de mercados. Com muitos rumores de sua incursão em veículos elétricos e realidade virtual, parece que está pronta para um novo salto."

Amazon e Google também tiveram bons níveis de crescimento, ambos mantendo suas posições no ranking Brand Finance Global 500 atrás da Apple em 2º e 3º, respectivamente. A Amazon juntou-se à Apple para cruzar a marca de valor de marca de US$ 300 bilhões, com um aumento de 38%, para US$ 350,3 bilhões, lidando com problemas globais da cadeia de suprimentos e escassez de mão de obra no processo.

o Google viu um crescimento semelhante do valor da marca de 38% para US$ 263,4 bilhões. A marca depende da publicidade para a grande maioria de sua receita e foi prejudicada no início da pandemia, pois os gastos com publicidade caíram devido à incerteza. No entanto, à medida que o mundo se ajustava ao novo normal e com as pessoas gastando cada vez mais tempo on-line, os orçamentos de publicidade se abriram e os negócios do Google se recuperaram, resultando em um aumento saudável no valor da marca.

A tecnologia continua a ser a indústria mais valiosa

O setor de tecnologia é novamente o mais valioso do Ranking da Brand Finance Global 500, com um valor acumulado de marca de cerca de US$ 1,3 trilhão. A tecnologia e as marcas de tecnologia tornaram-se cada vez mais importantes no mundo moderno, uma tendência que só foi exacerbada pela pandemia do COVID-19.

No total, 50 marcas de tecnologia aparecem no ranking, no entanto, o valor da marca é amplamente atribuído a três grandes players, com Apple, Microsoft (valor da marca US$ 184,2 bilhões) e Samsung Group (valor da marca US$ 107,3 ​​bilhões) juntos respondendo por mais de 50% do valor total da marca no setor.

Logo atrás deles, a Huawei conseguiu recuperar seu lugar entre as 10 marcas mais valiosas do mundo, após um crescimento de 29%, para US$ 71,2 bilhões. O negócio de smartphones da Huawei foi duramente atingido pelas sanções dos EUA, mas reagiu positivamente ao aumentar fortemente o investimento em empresas de tecnologia domésticas e em P&D, além de voltar seu foco para serviços em nuvem.

Varejo segue em alta

O setor de varejo se consolidou como o segundo mais valioso do Ranking da Brand Finance Global 500, cruzando a marca de US$ 1 trilhão pela primeira vez.

Antes da pandemia, o varejo era o terceiro setor mais valioso atrás do banco, mas um boom no comércio eletrônico o afastou enquanto o setor bancário permanecia estagnado. Ao longo da pandemia, o varejo foi a grande indústria que mais cresceu no ranking Brand Finance Global 500, com um aumento de valor de marca de 46% – superando os setores de tecnologia e mídia que cresceram 42% e 33%, respectivamente.

Este ano, um dos melhores desempenhos do setor, o Walmart, continuou a ver o crescimento do valor da marca e recuperou seu lugar no top 5, com o varejista subindo de 6º para 5º após um aumento de 20% no valor da marca para US$ 111,9 bilhões. O Walmart já tinha uma presença física de primeira linha e, no início da pandemia, investiu em recursos de comércio eletrônico – que continuou a render dividendos.

O varejo também registrou o maior número de novos entrantes no ranking deste ano em nove marcas, o que significa que quase um em cada quatro novos entrantes veio do setor. A maioria das novas marcas de varejo são supermercados – muitos dos quais se adaptaram ao novo normal, tornando-se mais acessíveis por meio de compras online e clique e retire. A alemã Edeka é a mais bem colocada das nove, entrando no ranking em 340º lugar com um valor de marca de US$ 6,5 bilhões.

David Haigh, presidente e CEO da Brand Finance, comentou:

“A impressão inicial do lockdown pode ter sido de que o varejo sofreria, mas aqueles que demonstraram agilidade para se adaptar e utilizar a tecnologia impressionaram com ganhos sólidos. A transformação da indústria para atender às necessidades em evolução de seus clientes plantou as sementes para a prosperidade de curto e longo prazo.”

Marcas farmacêuticas veem crescimento saudável

As marcas farmacêuticas estão no centro das atenções desde o início da pandemia, quando o mundo se voltou para o setor para testes e vacinas COVID-19. Como resultado, sem surpresa, o setor tem visto um crescimento mais rápido no Brand Finance Global 500 nos últimos dois anos do que qualquer outro setor. O número de marcas farmacêuticas no ranking dobrou de quatro para oito, com o valor da marca aumentando 94%, para US$ 54,0 bilhões.

Todas as oito marcas apresentadas são mais valiosas do que eram em 2020, com aquelas que produziram vacinas COVID-19 tendo os maiores aumentos. A Johnson & Johnson continua sendo a mais valiosa, com um aumento de 24% no valor da marca, para US$ 13,4 bilhões. A nova participante do ranking AstraZeneca garantiu o título de empresa que mais cresce no setor, com um notável aumento de 77% no valor da marca, para US$ 5,6 bilhões, seguida pela Pfizer como a segunda que mais cresce, com 58%, elevando o valor da marca para US$ 6,3 bilhão.

David Haigh, presidente e CEO da Brand Finance, comentou:

“A produção de vacinas eficazes tem sido essencial para recuperar a economia global. Isso resultou não apenas em um aumento nas receitas, mas também em uma maior conscientização e reputação global das marcas na indústria farmacêutica, que levanta questões interessantes sobre sua potencial aplicabilidade em setores adjacentes.

Marcas de turismo mostram sinais de recuperação

O valor da marca da indústria do turismo em geral ainda é baixo quando comparado às avaliações pré-pandemia, prejudicado pelo número de marcas apresentadas no Brand Finance Global 500 caindo de 15 para 9. No entanto, em um sinal promissor de recuperação, todas as marcas da indústria que aparecem no ranking deste ano tiveram um crescimento positivo do valor da marca.

O setor hoteleiro registrou o nível de crescimento mais rápido, com as duas marcas no ranking, Hilton (até 58%, para US$ 12,0 bilhões) e Hyatt (até 26%, para US$ 5,9 bilhões), agora valendo mais do que antes da pandemia. Marcas de companhias aéreas todos viram um aumento no valor da marca à medida que as viagens internacionais e domésticas aumentaram, embora nenhum tenha se recuperado ao nível pré-pandemia ainda. A história é semelhante para a plataforma de reservas online booking.com (US$ 8,7 bilhões) e a empresa de aluguel de carros Enterprise (US$ 7,1 bilhões).

David Haigh, presidente e CEO da Brand Finance, comentou:

“É um sinal promissor ver a recuperação no setor de turismo, apesar das restrições intermitentes ainda em vigor em todo o mundo. A recuperação foi, sem dúvida, prejudicada por surtos variantes, no entanto, à medida que o mundo se ajusta a viver com o COVID-19, não há razão para que a indústria do turismo não possa decolar mais uma vez”.

EUA e China ainda dominam

Desagregando os resultados por país, as marcas dos Estados Unidos e da China continuam a dominar o Brand Finance Global 500. Mais de dois terços do valor total da marca no ranking são atribuídos aos dois países, com os EUA respondendo por 49% (US$ 3,9 trilhões) e a China por 19% (US$ 1,6 trilhão).

WeChat mantém o título de marca mais forte do mundo

Além de calcular o valor da marca, a Brand Finance também determina a força relativa das marcas por meio de um scorecard equilibrado de métricas que avaliam o investimento em marketing, o patrimônio das partes interessadas e o desempenho dos negócios. Certificada pela ISO 20671, a avaliação do patrimônio das partes interessadas da Brand Finance incorpora dados originais de pesquisa de mercado de cerca de 100.000 entrevistados em mais de 35 países e em quase 30 setores.

De acordo com esses critérios, o WeChat continua sendo a marca mais forte do mundo, mantendo o título pelo segundo ano consecutivo, com uma pontuação no Índice de Força da Marca (BSI) de 93,3 em 100 e uma classificação AAA+ correspondente.

O WeChat desempenha um papel fundamental na vida cotidiana na China, com seu conjunto abrangente de serviços que permite aos clientes enviar mensagens, fazer chamadas de vídeo, pedir comida e fazer compras. Também desempenhou um papel fundamental na luta do país contra o COVID-19, com mais de 700 milhões de pessoas usando seus serviços para agendar vacinas e testes. O entrincheiramento do aplicativo na vida das pessoas o ajuda a alcançar fortes pontuações em reputação e consideração entre os consumidores chineses, de acordo com a pesquisa da Brand Finance.

Alinhado com a tendência observada no ranking de valor da marca, nosso top 5 mais forte marcas agora vêm do meios de comunicação setor, em comparação com apenas dois antes do início da pandemia de COVID-19. Juntando-se ao WeChat no topo do ranking está o Google, subindo do 39º para o 3º com uma impressionante pontuação BSI de 93,3, seguido de perto por seu parceiro estável do Alphabet, YouTube, que subiu de 27º para 4º com uma pontuação BSI de 93,2. A marca sul-coreana Naver completa as marcas de mídia no top 5, saltando notáveis ​​99 lugares para o 5º lugar com uma pontuação BSI de 92,5.

Brand Guardianship Index

O Brand Finance Brand Guardianship Index foi expandido e agora classifica os 250 melhores CEOs do mundo. O principal guardião da marca deste ano é Satya Nadella, da Microsoft. O Sr. Nadella, que também se tornou presidente este ano, foi creditado com a reformulação da sorte da Microsoft, mudando sua cultura para uma cultura de trabalho em equipe, inovação e inclusão, e incutindo uma mentalidade de crescimento em toda a empresa.

O top 10 do ranking é dominado por guardiões da marca dos setores de tecnologia e mídia. Tim Cook ocupa um merecido 2º lugar, tendo supervisionado o ano recorde da Apple, que a viu se tornar a primeira empresa a atingir uma avaliação de mercado de US$ 3 trilhões. Cook é acompanhado pelos guardiões da marca de várias marcas domésticas, Tencent’s Huateng Ma (4º), Google’s Sundar Pichai (5º), and Netflix’s Reed Hastings (7º), todos no topo do ranking.

David Haigh, presidente e CEO da Brand Finance, comentou:

“Em última análise, o papel de um guardião da marca é construir valor de marca e de negócios. Nosso ranking reconhece aqueles que estão construindo valor de negócios de forma sustentável, equilibrando as necessidades de todas as partes interessadas – funcionários, investidores e a sociedade em geral. Cada vez mais, os CEOs classificados no Brand Guardianship Index devem trabalhar em parceria para construir um futuro sustentável, redefinindo o papel de um CEO de empreendedor ultracompetitivo para diplomata colaborativo.”

AMD CEO, Lisa Su, é uma nova participante em 10º lugar, tornando-a a mulher mais bem classificada no Índice de Guardião da Marca 2022. Infelizmente, a liderança de Su em uma empresa de tecnologia é uma raridade, com a maioria sendo dirigida por CEOs do sexo masculino. Isso se reflete no ranking, com apenas cinco CEOs mulheres no top 100. Com a diversidade e a inclusão se tornando cada vez mais importantes para a sociedade como um todo, esperamos ver a promoção da liderança feminina no C-suite no futuro.

Veja o relatório completo do Brand Finance Global 500 2022 aqui

Nota aos editores

Todos os anos, consultoria líder em avaliação de marcas Brand Finance coloca 5.000 das maiores marcas à prova, e publica cerca de 100 relatórios, classificando marcas em todos os setores e países. As 500 marcas mais valiosas e fortes do mundo estão incluídas na lista anual Ranking da Brand Finance Global 500 – agora em seu 16º ano.

O valor da marca é entendido como o benefício econômico líquido que um proprietário de marca obteria ao licenciar a marca no mercado aberto. A força da marca é a eficácia do desempenho de uma marca em medidas intangíveis em relação aos seus concorrentes.

O ranking completo, insights adicionais, gráficos, mais informações sobre a metodologia, e as definições de termos-chave estão disponíveis no Relatório Brand Finance Global 500 2022.

Media Contacts

Konrad Jagodzinski
Communications Director
Brand Finance
Michael Josem
Associate Communications Director
Brand Finance
T:
Shreya Hiwale
Communications Executive
Brand Finance
T:

About Brand Finance          

Brand Finance is the world’s leading brand valuation consultancy. Bridging the gap between marketing and finance, Brand Finance evaluates the strength of brands and quantifies their financial value to help organisations of all kinds make strategic decisions.

Headquartered in London, Brand Finance has offices in over 20 countries, offering services on all continents. Every year, Brand Finance conducts more than 5,000 brand valuations, supported by original market research, and publishes nearly 100 reports which rank brands across all sectors and countries.

Brand Finance is a regulated accountancy firm, leading the standardisation of the brand valuation industry. Brand Finance was the first to be certified by independent auditors as compliant with both ISO 10668 and ISO 20671, and has received the official endorsement of the Marketing Accountability Standards Board (MASB) in the United States.

Disclaimer

Brand Finance has produced this study with an independent and unbiased analysis. The values derived and opinions presented in this study are based on publicly available information and certain assumptions that Brand Finance used where such data was deficient or unclear. Brand Finance accepts no responsibility and will not be liable in the event that the publicly available information relied upon is subsequently found to be inaccurate. The opinions and financial analysis expressed in the study are not to be construed as providing investment or business advice. Brand Finance does not intend the study to be relied upon for any reason and excludes all liability to any body, government, or organisation.

The data presented in this study form part of Brand Finance's proprietary database, are provided for the benefit of the media, and are not to be used in part or in full for any commercial or technical purpose without written permission from Brand Finance.

Get in Touch

Message